26 de março de 2007

grandes equívocos portugueses

Tinha ouvido falar e nunca levei muito a sério Afinal aquilo era mais um programa de televisão para preencher um espaço entre uns blocos de publicidade e pago por todos nós na conta da electricidade Ontem depois dos fedorentos (a coisa mais séria da televisão portuguesa) ficamos a saber que aquela figura tenebrosa tinha ganho o concurso do preço certo ou do malato mestre das moças giras Ou não era bem isso nem floribela com morangos nem o pito dourado da carolina Bem seja lá como for a salazarosa figura de combadão ganhou o euromilhões ou o totoloto da santa casa da erre-tê-pê
Logo alguém que não percebi se era concorrente ou simplesmente treinadora de um outro atleta que também corria ali Disse cobras e inconstitucionalidades daquilo e que não podia ser e tal.
Pois. Mas agora é tarde Devia ter-se demarcado daquela macacada em vez de a legitimar com a sua presença
Mas isto levantou-me outra questão Não haveria uma única portuguesa digna de figurar entre os dez Pergunto
Não sei se a padeira de aljubarrota realmente existiu Mas já conheci muitas grandes portuguesas que foram capazes de gerir um parco rendimento proveniente da sua força de trabalho e ainda amealhar algum para o caso de haver alguma fatalidade de saúde Criaram filhos sem creches nem amas nem licenças de maternidade e sempre a trabalhar E para isso não precisaram de mandar a pide torturar nem assassinar ninguém Nem precisaram de fazer uma guerra que estropiou uma geração aquém e além
Afinal o gajo foi grande em quê Pergunto

1 comentário:

Rosa disse...

E não sabes? Foi grande na filhadaputice. Há lá maior cabrão do que ele??