10 de setembro de 2015

No rasto dos poetas:A gentileza dos cegos

Um dia dei com um poema que me chamou a atenção pelo que nele há de paradoxal e, para além das reflexões que fiz sobre as coisas que fazemos no dia-a-dia e não reparamos, pensei logo levá-lo para as aulas de comunicação e relação. Faz-me pensar em tudo o que fazemos sem ter em conta a situação particular do outro, mas, pior, como se o outro visse e pensasse o mundo como cada um de nós o vive e pensa. É um poema de uma poetiza polaca já falecida e que foi prémio Nobel em 1996. Chama-se Wislawa Szymborka (1923-2012).
Há uma tradução brasileira, mas fiz uma nova a partir da versão em inglês traduzida do polaco por J. Kostkowska.
A gentileza dos cegos

Um poeta lê para os cegos.
Ele não suspeitava de como era tão difícil.
A sua voz falha. As suas mãos tremem.
Ele sente que aqui cada frase
fica sujeita à prova da escuridão.
Ela terá de valer por si própria
sem luzes ou cores.
Uma aventura perigosa para as estrelas do seu poema,
para o amanhecer, para o arco-íris, para as nuvens, para os néons, para a lua,
para o peixe, até agora tão prateado, dentro de água,
e para o gavião tão silenciosamente alto no céu.
O poeta lê – já é demasiado tarde para parar –
sobre um menino de casaco amarelo no verdejante prado,
os telhados rubros que salpicam o vale,
os movimentados números nas camisolas dos jogadores
e a desconhecida nua na porta entreaberta.
Ele gostaria de não mencionar – embora já não possa –
todos aqueles santos no tecto da catedral,
aquela onda de adeus na janela do comboio
a lente do microscópio, o raio de luz na pedra preciosa
o ecrã do cinema, e os espelhos, e os álbuns de fotos.
Ainda assim é grande a gentileza dos cegos,
grande a sua compaixão e generosidade.
Eles escutam, sorriem e aplaudem.
Um deles até se aproxima
com um livro de cabeça para baixo
a pedir um autógrafo invisível.

A poet is reading to the blind. He did not suspect it was so hard. His voice is breaking. His hands are shaking. He feels that here each sentence is put to the test of the dark. It will have to fend for itself without the lights or colors. A perilous adventure for the stars in his poems, for the dawn, the rainbow, the clouds, neon lights, the moon, for the fish until now so silver under water, and the hawk so silently high in the sky. He is reading - for it is too late to stop - of a boy in a jacket yellow in the green meadow, of red rooftops easy to spot in the valley, the restless numbers on the players' shirts, and a nude stranger in the door cracked open. He would like to pass over - though it's not an option - all those saints on the cathedral's ceiling, that farewell wave from the train window, the microscope lens, ray of light in the gem, video screens, and mirrors, and the album with faces. Yet great is the kindness of the blind, great their compassion and generosity. They listen, smile, and clap. One of them even approaches with a book held topsy-turvy to ask for an invisible autograph.

22 de abril de 2015

Coisas do meu quintal

No meu quintal há um cágado responsável pelo inventário e pelo registo de presenças do melro e da passarada namoradeira. Fora isso é tudo horta poética. Horto-gráfica no desenho dos canteiros metafísicos e cronofágicos. Na vertical, o meu quintal é infinito e por isso, ele é maior do que o mundo.

Segui uma pista. Um sinal dos sinais da manhã do Fernando Alves e fui dar ao poeta Manoel de Barros, poeta esquecido de quem pouco mais conhecia do que o nome através do elogio de outro dos meus poetas - Carlos Drummond de Andrade.
Fiquei com a impressão de que o Manoel de Barros também visita o meu quintal. Vou reparar melhor.

O apanhador de desperdícios

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato
de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.

Manoel Wenceslau Leite de Barros  (1916-2014), poeta da chamada Geração de 45 e formalmente enquadrado no pós-modernismo brasileiro (Wikipédia).

19 de março de 2015

Um homem da terra

Viveu os seus anos todos a misturar a sua vida com a terra e as searas e as vinhas e as oliveiras sem medo do sol do estio ou o rigor das geadas. Ria-se das agruras convencido de que tudo isso o "enrijava". Homem do campo, trabalhava até ver e à noite - durante alguns anos à luz do candeeiro a petróleo - lia esteiros e fangas e gaibéus em searas de vento. E também Gorki e Zola e Steinbeck e Amado. Pequeno, saltava-lhe para o colo e queria saber o que diziam os livros. Cedo levou-me à biblioteca da Sociedade Filarmónica e ainda hoje tenho na memória o cheiro dos livros e o fascínio das lombadas alinhadas. Fez apenas a instrução primária, mas deve ter lido muito mais do que a maioria dos licenciados de hoje. Brincávamos ao jogo de dizer as capitais de todos os países do mundo...
Um dia escreveu uma carta ao ministro da educação a pedir uma bolsa para que o filho pudesse estudar.
Ensinou-me tudo o que foi necessário para que pudesse continuar a aprender.
Misturou-se definitivamente com a terra na passada segunda-feira e no seu humor muito particular não teria deixado de fazer uma graça com o facto de ir para a terra com a alma encomendada aos céus.
Era o meu pai.



https://www.youtube.com/watch?v=PzeQwBTbOpw

17 de maio de 2014

O teatro do aborrecimento mortal

"O Teatro do Aborrecimento Mortal reconhece-se à primeira vista, pois é sinónimo de mau teatro. Sendo esta a forma de teatro mais frequente, e aquela que se encontra mais associada ao teatro comercial, alvo de desprezo e de ataques constantes, poderá parecer uma perda de tempo insistir em criticá-lo. Contudo, só teremos consciência da real dimensão do problema se percebermos que as coisas aborrecidas são enganadoras e que podem surgir em qualquer momento".
(Peter Brook, O Espaço Vazio)

Acabado de vir do comício do Bloco de Esquerda, em Faro, onde fui ver se me convencia a ir votar no próximo dia 25, nas eleições para o Parlamento Europeu.
A única coisa que me animou foi a reivindicação da "reestruturação da dívida" que o BE continua patetalegremente a proclamar como sendo uma coisa de esquerda e que reclamará como uma grande vitória no dia em que a direita tomar isso como um feito seu. Inevitavelmente.
Sobre a Europa não ouvi uma ideia. Apenas que existem alternativas e que há outros com quem estão unidos no PE. Enfim, o discurso político do "aborrecimento mortal". Na forma não se distingue muito dos outros. E aqui, a forma é também conteúdo. Mortal. Uma esquerda a tornar-se mortal para si própria.

18 de setembro de 2013

A Praia I

N minha terra não havia mar. Pelo menos para mim. Sabia do Carril e do Toco onde as mães iam lavar e isso era uma verdadeira praia com juncos e espadanas e peixinhos pequeninos à nossa volta. Ouvia falar da praia. Que tinha areia. E na minha imaginação aparecia um enorme monte de areia, muito maior do que aquele que uma camioneta tinha descarregado em frente da casa do Ti Paulino, para fazer obras, e onde eu me deliciava a brincar. Claro que isso me custou umas duas palmadas no rabo que a minha mãe era célere em questões de justiça que administrava logo ali à frente do queixoso de que eu tinha espalhado a areia toda. Alma danada, acrescentava o nosso vizinho com ar zangado. Hoje penso que fazia aquilo para que se parecesse mais com uma praia que eu nunca tinha visto. A minha tia, irmã do meu pai, casara-se com um pintor da construção civil que também era ciclista. Livre dos preparativos das vindimas e da venda dos melões e também por já ser um bocadinho rica, começou a ir todos os anos à praia. Juntava-se com uma amiga e iam as duas à Nazaré alugar uma casa para quinze dias, para as duas famílias. Nazaré era palavra que não se pronunciava por ser desnecessária. Toda a gente se entendia apenas com o nome Praia. A primeira vez que fui à praia teria pouco mais de três anos. Dizem que não temos memórias de antes dos quatro, mas não acreditem. Apanhava-se a camioneta dos Claras, isso soube mais tarde, e lembro-me do cheiro que exalava dos bancos e que me agoniava. Eu forte como era e com o entusiasmo de ir para a praia, aguentava, enquanto o Raimundo, a meu lado, já tinha vomitado pelo menos duas vezes para uma toalha. Aquilo cheirava quase tão mal como todo interior da camioneta, mas alguém abriu o vidro e a coisa melhorou. O Raimundo, mais velho que eu, um ano ou dois, olhava para mim, verde e quase a revirar os olhos. Empoleirado no banco conseguia saborear o ar na cara e o cheiro dos pinhais. Um ronco mais intenso do motor, uma subida, um ligeiro tombo no início de descida e uma explosão de vozes exclamativas. Parecia-me ouvir “o Mário… o Mário!”. Eu conhecia dois Mários. Um era o barbeiro onde o meu pai ia ler o jornal e outro era um vizinho que andava sempre de fato-macaco azul e sujo de óleo porque andava numa oficina a aprender o ofício. Bem rodava a cabeça, mas não consegui reconhecer em nenhuma das caras, um desses Mários. Pouco depois e sempre a descer entrámos casario dentro por ruas onde andava muita gente a pé e um cheiro esquisito no ar. Tínhamos chegado à Praia e eu nem sabia que havia mar.

4 de abril de 2013

A monção de Sençura

Apreceu um tal miguel de mão dada com outro de igual nome com um discurso a lembrar salazarentos aforismos do tipo Eu não percebo nada de política A minha política é o trabalho
Todos sabemos é bom haver chuva no nabal e que ainda é cedo para o sol na eira e cestos de vindima E tem chovido bem e tanto nesta monção primaveril que só falta mesmo uma delibração de santa bárbara para um despacho trovejante Já não há gaivotas em assembleia apesar dos temporais Os corvos negros tornaram-se intemporais e nem mesmo uma ave de arribação é capaz de trazer um rasgo de primavera
Há um país cativo numa espécie de síndroma de estocolmo que aguenta aguenta de estocada em estocada até á sangria final
E a política E a esquerda E a oposição
Ainda não vi ninguém preso Por isso não existem
É primavera pá Continua a chover

31 de agosto de 2012

Blue moon e outras teorias

Há poéticas espalhadas nas notícias a cruzar a ciência do espaço com outras órbitas e trajectórias do amor. Achei-me já tantas vezes a navegar por algumas dessas distintas poéticas incluindo as mais óbvias e não desdenho nada de quem, mão na mão tece promessas de amor feliz com a lua por testemunha.
Aprendi de miúdo a reconhecer e a quase venerar o luar de Agosto, aquele que nos permitia brincar na rua até altas horas e jogar com as sombras. Saberá disto quem cresceu no campo e brincava em terreiros desprovidos de iluminaçao pública. Na escola aprendi coisas mágicas e saberes deliciosos sobre a lua. Compreender as fases da lua, a sua eclíptica e tudo o que envolve o que é aparente e inaparente neste satélite, abriu-me um largo campo de metáforas que vão muito para além dos sortilégios e juras de amor.
Hoje está na noite o que se chama uma "blue moon" (foi tema de uma canção que também ouvia na rádio - não sabia o que dizia a letra, mas era sempre anunciada como "lua azul") e quase que a vi nascer. Apanhei-a assim, a partir do cais de Faro, a subir entre Olhão e a ilha do Farol.
Assim sendo, se hoje alguém se sentir personagem de um romance, estrofe de um poema, parte de uma sinfonia, movimento de um bailado... devem ser mesmo os famosos efeitos da lua.

O crepúsculo de hoje no cais.