14 de outubro de 2009

Desgraça moura

Imagem daqui

Às vezes ainda me surpreendo por me surpreender.

Depois de ouvir isto, também sou de opinião que o inepto também devia ser impedido, assim por uma forma pouco recomendável, a escrever poesia, que por acaso é uma coisa que ele faz bem.
Devia ser proibido.
É que isso é incompatível com tanta imbecilidade, tanta labreguice e tanta desonestidade intelectual.

Para que não restem dúvidas, nem sequer votei em quem ganhou e vai formar governo, mas mandam as regras da democracia que se aceitem os resultados.

O povo votou e o partido mais votado constitui governo e vai ter que governar. Para seu e nosso castigo. O parlamento eleito é, talvez até hoje, aquele com mais potencialidades para controlar com eficácia o exercício do poder. O que eu espero é que cada uma das instâncias cumpra o seu papel.

O Vasco não. Quer derrubar já um governo que ainda não existe. Fica-lhe bem.

Pois eu só lhe desejo que um dia, se acontecer o seu PSD ganhar as eleições, ele seja convidado para exercer o cargo de ministro da educação, ou coisa parecida. Mas como não sou de querer assim tão mal a ninguém, deixemo-lo apenas com esta praga que em tempos ouvi a gentes de Alvor:

prouvera deuj lhe desse uma terçã tã forte nésse cu que 'tvesse quinze diaj sim cagar i q'onde cagosse, cagosse figues de pita enteroj

Merecia.

2 comentários:

CG disse...

Perante praga de tal envergadura, não sei se algum dia me atreverei a "contrariar-te"... Beijo da CG

*JjS* disse...

Podes estar descansada. Mas se um dia precisares, assim para presentear alguém, donde veio esta ainda há mais umas quantas e de efeitos garantidos.
:))
Beijinhos
JjS